Salve as alterações.

Para Descontrair "as 5 mulheres mais perversas do mundo."

Sexo Frágil? Você vai mudar de ideia depois de ler essa Matéria, espero que estejam preparados para conhecer  essas mulheres que só parecem boazinhas, mas que no fundo mostram que as aparências enganam muito. Bom  espero que sim porque ai vem ...

as 5 mulheres mais perversas do mundo.

1 Betty Neumar




  Aos 76 anos, essa americana está presa, acusada de contratar um homem para matar o quarto de seus cinco maridos, Harold Gentry. Esse foi o primeiro ato de qual Betty foi acusada, mas levou a uma investigação que apontou indícios de um ninho de malfeitos no passado. Aparentemente, os parentes dela morreram, ao longo dos anos, de forma que ela sempre lucrava milhares de dólares com isso. Ela ganhou 20.000 dólares quando Harold morreu, e já tinha lucrado 10.000 um ano antes, quando seu filho morreu. Publicamente, Betty era uma senhora comum, que ia à igreja e levantava fundos para caridade, mas não param de chover suspeitas contra ela.


2  Katherine Knight 



Essa Australiana de 46 anos ficou notória por um crime cometido em 2001, mas antes já havia dado sinais de violência. Ela tentou estrangular seu primeiro marido na noite de núpcias e chegou a colocar a primeira filha do casal sobre os trilhos do trem quando ele a deixou (a criança foi salva). No segundo casamento, cortou a garganta do cachorrinho de seu marido, na frente dele. Depois de mais um casamento mal sucedido, conheceu John Price. Ali, Knight cometeu o crime que a levaria a ser a primeira mulher australiana condenada à prisão perpétua. Esfaqueou o marido 37 vezes enquanto dormia e pendurou pedaços de sua pele pela sala de estar. Cortou sua cabeça fora e a assou no forno. Decorou o “prato” com vegetais e molho, e ia servi-lo aos filhos de John (de outro casamento dele) se a polícia não chegasse ao local antes.

3 Stacey Castor


Seu segundo casamento acabou quando o marido morreu por ingerir Etilenoglicol (um anticongelante para motor de carros) por quatro dias, de um modo que parecia suicídio. Desconfiando da esposa, a policia examinou o corpo do primeiro marido dela, que havia morrido cinco anos antes. Qual não foi a surpresa dos médicos quando acharam a mesma substância, o Etilenoglicol! Encurralada, Castor armou um plano de defesa para acusar sua própria filha, Ashley! Apesar de a menina ter apenas 11 anos em 2000, quando aconteceu o primeiro assassinato, a mãe sustentou a acusação.Em 2007, Ashley foi hospitalizada após ser encontrada inconsciente, com overdose de vodka e remédios. Ao seu lado, havia uma carta de suicídio. Mas Ashley sobreviveu à overdose, e testemunhou contra a mãe no ano passado. Castor agora enfrenta uma sentença de 25 anos de prisão.

4 Condessa Elizabeth Báthory


Elizabeth de Ecsed foi uma húngara que, durante o século XVII, foi acusada de torturar e matar 80 garotas, com a ajuda de algumas pessoas. Testemunhas, da época, alegam que não foram 80, mas, sim, 650 mortes. A condessa foi sentenciada a viver, sem sair, em um castelo da Eslováquia em 1610. Quatro anos depois, ela morreu. Muito tempo depois de sua morte, foram encontrados textos onde estava escrito que a condessa Elizabeth matava as garotas para poder banhar-se em sangue de virgens – esse era o seu segredo de beleza
5 Ilse Koch


Ilse – que tinha um apelido bem “singelo”, “a maldita de Buchenwald” – foi casa com um membro da SS durante a época da Alemanha de Hitler. Ilse tinha, por “hobbie”, arrancar a pele dos confinados em campos de concentração; ela gostava de pegar peles tatuadas e usar como enfeite em sua casa. Além disso, ela tinha o costume de caminhar pelos campos de concentração nua, segurando apenas um chicote. Quem olhasse para ela duas vezes levava inúmeras chicotadas. Ilse Koch foi presa quando a guerra acabou e se enforcou na prisão.



Para quem achava que a mulher é o sexo frágil, este post vem mostrando que não é bem assim não é?
Espero que vocês tenham gostado amores e não tenham morrido de susto,segurem estes corações,afinal foi só para descontrair um pouco.


Nenhum comentário:

Postar um comentário